Liberdade e co-participação

TEXTOS

"Pois, sendo livre de todos, fiz-me escravo de todos para ganhar o maior número possível... Ora, tudo faço por causa do Evangelho, para dele tornar-me co-participante." (1Co 9:19 e 23).

INTRODUÇÃO

Salvos por Cristo, devemos assumir os desafios e compartilhar o Seu Evangelho. O cristão precisa desprender-se de si mesmo, para se tornar, verdadeiramente, servo de Cristo. Que preferiramos ser servos do nosso Senhor e Salvador a sermos reis da mais "importante" nação da terra. A igreja precisa, com urgência, consagrar-se a Cristo para retornar ao despertamento espiritual verdadeiramente bíblico e se afastar das formas mundanas para atrair pessoas. Com o enorme aumento das populações, torna-se imperioso o fato de sermos estimulados a essa retomada de atitude.

A igreja precisa levantar a cabeça frente ao abismo que aí está, onde criaturas perecem por não conhecerem O Caminho que devem seguir.

O apóstolo Paulo, de descendência judaica e cidadão romano, nasceu de pais hebreus, em Tarso. Aos treze anos de idade, foi para Jerusalém, onde estudou com o rabi Gamaliel (At 22:3). Filho da Lei, alcançou o título de "fariseu dos fariseus". Nessa altura da sua vida, os principais sacerdotes o autorizaram a exterminar os primeiros cristãos, a começar por Jerusalém, indo a toda a Palestina e Síria. Homem de ação, empreendeu grande cruzada para sufocar o cristianismo (At 7:54-60; 8:1-3; 9:1-2; 22:4; 22:20; 26:10-11; 1Co 15:9; Gl 1:13; Fp 3:6).

Certa vez, “seguindo ele estrada fora, ao aproximar-se de Damasco, subitamente uma luz do céu brilhou ao seu redor, e, caindo por terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? Ele perguntou: Quem és tu, Senhor? E a resposta foi: Eu sou Jesus, a quem tu persegues; mas levanta-te e entra na cidade, onde te dirão o que te convém fazer. Os seus companheiros de viagem pararam emudecidos, ouvindo a voz, não vendo, contudo, ninguém. Então se levantou Saulo da terra e, abrindo os olhos, nada podia ver. E, guiando-o pela mão, levaram-no para Damasco” (At 9:3-8). E, assim, começou uma nova vida. Por intermédio de um discípulo chamado Ananias, o Senhor recuperou sua visão. Convertido, foi batizado e começou a testemunhar de Cristo ali mesmo, na sinagoga de Damasco.

Inicialmente, poucos acreditavam que aquele "caçador de cristãos" houvesse, realmente, transformado-se em cristão; mas, após três anos de orações e meditações no deserto da Arábia, voltou, no poder do Espírito Santo, e passou a ser acreditado. Perseguido agora, por ser cristão, foi preso e remetido a Roma, libertando-se no ano 62 d.C. e novamente preso em 66. Juntamente com Pedro, sofreu o martírio a 29 de julho, em Roma.

Antes, porém, foi obreiro autêntico. Paulo evangelizou em Chipre, Galácia, Grécia, Itália e Israel. Segundo alguns historiadores, ele chegou até à Espanha. Quando estava impedido de viajar, escrevia cartas às igrejas locais, persuadindo-as a um convívio cristão exemplar, bem como a pregar o Evangelho de Jesus Cristo.

De criminoso, caçador de cristãos, Paulo foi transformado pela Palavra de Deus em servo fiel e obediente ao Senhor.

A mensagem dO Senhor chega até aqui, viva e eficaz, e quer encontrar pessoas livres e dispostas a uma mudança radical, em favor dO Senhor Jesus Cristo.

Somos livres?

I - SER LIVRE É ESTAR DISPOSTO À MUDANÇA (1Co 9:19)

"Pois, sendo livre de todos, fiz-me escravo de todos para ganhar o maior número possível" é a afirmação de Paulo.

Muitos não conhecem a realidade desesperadora do mundo. É necessário compreendermos, tanto as necessidades que nos rodeiam, como os objetivos de Jesus. Cristo veio ao mundo sem nenhuma couraça protetora que evitasse a contaminação com o humano. Ele assumiu a nossa humanidade. Sofreu a nossa sede, padeceu a nossa fome, gemeu e chorou com as nossas dores, feriu-se com os nossos espinhos e morreu a nossa morte. Houve uma identificação real. Ele se identifica com a nossa humanidade, para que nós possamos ser identificados com a Sua divindade.

Paulo, tomando o exemplo de Cristo, se fez escravo de todos. Apesar de supra legalista, ou seja, acima da lei, fez-se como se debaixo dela estivesse; se fez como sem lei, como fraco. Fez-se escravo de todos, para, por todos os meios, trazer alguns aO Senhor Jesus.

E nós? Eu e você? O que temos feito? Qual a mudança de atitude ocorrida em nossa vida com o objetivo de proclamar as Boas Novas da Salvação?

Talvez estejamos associando o sofrimento do mundo com o domínio de Satanás, e temos pensado que, se nos aproximarmos do homem ferido à margem da estrada, poderemos contaminar-nos! Talvez estejamos refugiando-nos na “santidade do mundo cristão”, preocupados com nossa própria segurança, e nos esquecendo de amar os perdidos!

Lembremo-nos de que o “ser santo” é ser semelhante a Cristo! A santidade, portanto, nos faz mais fortes para podermos ajudar a carregar a dor do mundo, e enxugar as suas lágrimas!

Talvez estejamos perdendo a consciência da missão de Cristo! Não podemos perder a visão de um mundo em profunda miséria espiritual. A morte eterna é uma realidade e seu sofrimento não tem remédio! Estão indo para lá, condenados à eterna ausência da graça de Deus, alguns de nossos parentes, amigos, vizinhos, colegas e milhares de desconhecidos! Eles não têm consciência do seu estado de perdição e condenação.

Nós temos a responsabilidade de avisá-los, a tempo de ouvirem! O Senhor quer que saiamos desse marasmo em que nos encontramos! Em Cristo, somos livres, e devemos estar dispostos a esse desafio!

II - SER LIVRE É ESTAR DISPOSTO AOS DESAFIOS (1Co 9:23-a)

No versículo 23, parte a, o apóstolo Paulo diz: "Ora, faço tudo por causa do Evangelho...".

Temos nós procurado conhecer os desafios que estão colocados à nossa frente? São poucos! São apenas: Estudo Bíblico, Oração, Adoração, Comunhão, Evangelização, Educação Cristã...

Albert Einstein afirmou que "o mundo não vai superar sua crise, usando o mesmo pensamento que criou essa situação".

Nós, cristãos, sabemos muito bem qual o “pensamento que criou essa situação”, essa tragédia, desde Adão e Eva: Foi o tentar colocar-se a vontade do homem acima da vontade de Deus. Foi, é e será a desobediência!

Inúmeras tragédias estão acontecendo a cada dia.

Não desejamos faltar à Ética Cristã para comentarmos a respeito de tantos “ismos”, terapias, poderes, hectoplasma e outras drogas.

Aqui, não comentaremos sobre a construção de templos dedicados a imagens mortas de deuses falsos.

Todavia, existe uma mescla, uma mistura, que confunde a pessoa. Tudo é oferecido como "remédios"! E causam um certo alívio, sim, mas aliviam um problema e provocam outro, e, enquanto isso, Satanás está afastando, do Deus Vivo, o ser humano.

O inimigo de nossas almas quer continuar escravizando!

Sabemos que o remédio verdadeiro está presente aqui, através da Palavra de Deus! Esse remédio é Jesus Cristo!

Ao cultuar a Deus em espírito e em verdade, estamos dando testemunho vivo do poder libertador do Evangelho - e isso é Evangelismo! Evangelismo não nasce da necessidade do ser humano, nem da necessidade de expansão da igreja. Evangelismo nasce do caráter de Deus! Evangelizamos, não porque queremos melhorar o mundo para nele vivermos melhor, mas porque o pecado desagrada à santidade de Deus! Ao evangelizarmos, estamos cooperando para o restabelecimento do Senhorio de Cristo sobre o valor mais precioso do universo - a alma de cada pecador! Estamos executando o projeto dO Senhor para o restabelecimento da justiça na terra através da Obra de Cristo.

A igreja continua cercada por um mundo cruel, dominado pelo maligno e, por isso, extremamente carente de amor e de paz. Precisamos entender que nós próprios, ao proclamarmos A Palavra de Deus, somos instrumentos dEle na transformação dos indivíduos. É pelo amor, pela compaixão, pela misericórdia do nosso amado Deus e Pai para conosco, que precisamos refletir e compartilhar o evangelho a cada ser humano e trazer cada um ao arrependimento e à fé em Cristo.

Como Paulo, tenhamos a alegria de ser co-participatantes do evangelho da salvação!

III - SER LIVRE É ESTAR DISPOSTO À CO-PARTICIPAÇÃO (1Co 9:23-b)

"... para dele tornar-me co-participante" (v.23b).

Segundo os dicionários, co-participar significa: participar juntamente com outras pessoas.

E o que é participar? Participar significa: informar, fazer saber, comunicar, partilhar.

Sendo assim, ao concordarmos com Paulo, percebemos a necessidade de a igreja estar unida num só corpo, onde cada membro possa, não apenas colaborar, mas, principalmente, co-participar, comprometer-se. Jesus, Sendo Deus conosco, se fez pecado para salvar a muitos. Não apenas colaborou para a nossa salvação; Ele se comprometeu, a ponto de morrer por nós, de morte de cruz!

Paulo também comprometeu-se até à morte!

Nós temos um espírito voluntário! Somos voluntários! Somos livres em Cristo! Cada um deve, portanto, conhecer as atividades que estão sendo (ou que poderão ser) desenvolvidas. Cada qual precisa ter o prazer de assumir o compromisso da co-participação, dentro da Obra do Senhor. Não estamos de mãos vazias! Você e eu somos importantes para Deus!

Jesus Cristo cura, perdoa e salva! Ele curou as crises de muitos! Curou as crises de Paulo, as minhas crises, as suas crises! É premente a necessidade de levarmos este "Remédio" a nosso lar, nosso vizinho, nosso parente, colega de trabalho, amigo! Ao desconhecido na fila de ônibus, dos bancos, dos supermercados... . Ao mundo!

Através desta Palavra, O Senhor está despertando a você, que está desanimado! Moleza e preguiça não fazem parte do Dicionário de Deus!

Examine sua consciência e observe que precisa tomar uma atitude diante dO Senhor! Desejamos que O Espírito Santo continue sondando e incomodando àquele que estiver morno, e despertando-o para o avivamento espiritual bíblico!

Se você está descontente e, por algum motivo, está afastando-se da igreja, lembre-se: O maior preço pela sua salvação já foi pago por Cristo, numa cruz! O alto preço que Cristo pagou pela salvação dos perdidos está nas mãos dos salvos! Se Cristo o salvou, Ele quer que você erga sua cabeça! O tempo está passando e as oportunidades também! O Senhor está convocando você para a Boa Obra!

Acorde! Levante! Tome a iniciativa!

Precisamos informar que O SENHOR JESUS É O CRIADOR de tudo quanto existe e de tudo quanto venha a existir! Precisamos comunicar que CRISTO É O SUSTENTADOR de toda a criação; fazer saber que JESUS CRISTO É O SOBERANO JUIZ que tem autoridade para julgar tudo e todos!

Urgente é compartilharmos com cada pessoa que Cristo é Único e que, somente Ele pode salvar o pecador arrependido que O busca com humildade de espírito e confiança plena em Seu Poder!

Necessitamos co-participar que Jesus Cristo conserva Sua soberania, mesmo quando sua autoridade é desafiada por Satanás e que, por tudo isto, Jesus Cristo é O Senhor!

CONCLUSÃO

Escolhido para levar o nome dO Senhor perante os gentios, e os reis, e os filhos de Israel, Paulo pregava com amor e compaixão, e refletia os ensinos de Jesus.

O jovem, que se tornara rabi, senhor da Lei aos pés de Gamaliel, é transformado aos pés de Cristo em Seu apóstolo, orientador cristão para as igrejas locais.

Paulo foi livre para mudar. E foi transformado! Foi livre para assumir desafios. E desafiou! Foi livre para compartilhar a Mensagem de CRISTO. E compartilhou!

Ele era um cristão, cujo exemplo pode e deve ser seguido por qualquer um de nós, homens e mulheres de todas as idades!

Talvez imaginemos que fica muito pesado evangelizar as pessoas. Mas, quando se observa mais de perto, percebe-se que é muito leve. Afinal, quem faz a obra é o Espírito Santo! Quanto a nós, somos apenas os instrumentos que precisam estar disponíveis a Ele.

Sozinhos, nada podemos fazer. Comprometamo-nos com O Senhor Jesus Cristo!

 

BIBLIOGRAFIA

Bíblia Shedd

Traduzida em português por João Ferreira de Almeida

Revista e Atualizada no Brasil

2ª. Edição – 1998

Edições Vida Nova

 

Teologia da Mordomia Cristã

João Falcão Sobrinho

Conselho da Convenção Batista Brasileira

2a. Edição - 1987

JUERP

 

Conhecendo Deus e Fazendo a Sua Vontade

Henry T. Blackaby e Claude V. King

Tradução de Joélcio Rodrigues Barreto

3ª. Edição – 1998

Missões Nacionais

 

O Mundo do Novo Testamento

Packer, Tenney e White

Edição - 1988

Editora Vida

 

Dicionário Bíblico Universal

A. R. Buckland e Lukyn Williams

Tradução de Joaquim dos Santos Figueiredo

11ª. Impressão – 1996

Editora Vida

 

Nova Enciclopédia de Biografias

Planalto Editorial Ltda. - RJ

Edição - 1979

 

Genésio de Carvalho

 


Estudos Bíblicos